Dona dá banho em seu cachorrinho poodle e acidentalmente acaba deixando-o roxo

Pouco antes de mudarem de residência, a família do cãozinho Mateus decidiu pendurá-lo em uma porta com grades na área dos fundos e abandoná-lo ali para que morresse à própria sorte.

É provável que o cachorro tenha ficado ali por semanas sem comer ou beber. Mais alguns dias naquela situação extrema e humilhante, e ele teria sucumbido de fome.

“Este pobre cachorro foi descoberto por nós na parte de trás da casa de uma família de classe média alta. Seu nome é Mateus. Quando o encontramos, ele estava pendurado na porta de trás [da residência]”, relatou a ONG Paw Rescue, nos EUA.

Vizinhos dos antigos donos confirmaram o tempo que o animal durou naquele estado, baseado no momento em que a família deixou a casa.

“Moradores locais disseram que o cachorro pode ter ficado pendurado ali por até um mês […]”, acrescentou a ONG.

Por um milagre, Mateus conseguiu sobreviver à tortura durante todo aquele tempo interminável. Seu caso foi tornado público e um grupo de ativistas dos direitos dos animais conseguiu intervir bem a tempo para evitar que o cão sofresse mais.

Desde pequeno, o cachorrinho Gizmo adora explorar e aventurar-se aonde quer que vá, apesar da maior parte do tempo estar em sua casa com os donos. Seja no quintal, no quarto ou no parque de cães, Gizmo gosta de investigar tudo – e como ele é um cachorrinho branco, isso geralmente significa que ele vai acabar se sujando.

“Eu sou uma passeadora de cães por profissão e Gizmo é meu ‘supervisor’, então passamos um certo tempo na praia e em aventuras, o que significa que ele, naturalmente branco, acabe voltando dos ‘rolês’ em tons de marrom”, afirma Lottie Cooper, mãe de Gizmo, ao portal The Dodo. “Ele é a melhor coisa que já me aconteceu e minha carreira foi planejada para passar cada segundo com ele, é mais assunto dele do que meu.”

Desde que foi acolhida em um abrigo ainda pequenina, a gatinha Stella fez questão de mostrar aos donos quem é o xodó e a rainha da casa!

“Ela é muito mimada, como dá pra perceber nas fotos”, brinca Kelsey Mansingh, a mãe de Stella. “Sempre brincamos que ela é obcecada por nós, porque ela nos segue aonde quer que vamos, nos cumprimenta na porta quando chegamos em casa, se deita para fazer massagens na barriga e nos acorda de manhã miando e andando por aí nos. Ela é super doce e brincalhona. Sempre dizemos que ela se parece mais com um cachorro do que com um gato de verdade”, continuou a mamãe adotiva.

Comentário